Renda Extra

17/09/2021

Quem fez cirurgia de hérnia pode fazer abdominal?

 


A hérnia abdominal é um problema caracterizado por uma protuberância de algum órgão da barriga para fora do corpo. O problema pode surgir em qualquer lugar da região, sendo que as mais frequentes costumam surgir na virilha e umbigo. Os principais tipos de hérnia na barriga são classificados entre:

  • Hérnia inguinal: uma das mais comuns, ocorre na virilha e na maioria dos casos em homens;
  • Hérnia umbilical: ocorre na região da cicatriz umbilical;
  • Hérnia incisional: acomete pessoas que já fizeram algum tipo de cirurgia, e pode surgir a partir desta incisão cirúrgica;
  • Hérnia epigástrica: surge na linha média do abdômen, na região acima do umbigo.

Geralmente, a hérnia abdominal não causa nenhum sintoma, contudo quando eles são destacados podem provocar dor, inchaço e vermelhidão na região onde está localizada a alteração.

Para o seu tratamento, o mais indicado é que seja feita uma cirurgia para recolocar aquela parte do órgão em seu local de origem, fechando os músculos abdominais por onde o órgão extravasou. O procedimento, que pode durar cerca de 1 hora, é bem simples e não necessita de anestesia geral.

Recuperação: quais os principais cuidados após a cirurgia de hérnia?

O pós-operatório da cirurgia de hérnia abdominal é bem rápido, embora possa variar de acordo com a complexidade dos procedimentos. O paciente geralmente não demora mais de duas a três semanas para retornar às suas atividades cotidianas.

No geral, os principais cuidados que precisam ser tomados e adotados pelos pacientes são:

  • Uso de medicamentos analgésicos ou anti-inflamatórios, de acordo com o recomendado e prescrito pelo médico;
  • Repouso na primeira semana após a cirurgia;
  • Não carregar peso;
  • Ingerir alimentos ricos em fibras, para evitar que fique com prisão de ventre;
  • Beber bastante água;
  • Higienizar o curativo com bastante cuidado;
  • Evitar roupas apertadas ou que causem algum tipo de atrito com a região operada.

Como é a rotina de exercícios físicos
após cirurgia de hérnia?

É recomendado que, após a realização da cirurgia de hérnia abdominal, o paciente não realize atividades físicas intensas — principalmente exercícios abdominais e que alonguem ou puxem os músculos abdominais. Este cuidado é necessário por, pelo menos, as duas primeiras semanas após a intervenção.

Os médicos ainda informam que atividades consideradas intensas relacionadas ao trabalho do paciente devem evitadas pelo mesmo período de 2 semanas. Em ambos os casos, o retorno do paciente às atividades deve sempre feito após a autorização médica.

Recomenda-se também que o paciente não tenha relações sexuais nas duas ou três primeiras semanas. O ideal é continuar movimentando o corpo para evitar trombose, mantendo treinos leves de resistência, e voltando à rotina normal após quatro semanas. Contudo, o principal é sempre contar com a ajuda do médico para que ele possa passar as orientações mais adequadas, de modo a evitar complicações e recidivas.

O pós-cirúrgico da hérnia abdominal demanda cuidados especiais e planejados especialmente para cada caso, afinal o corpo precisa estar ativo na medida certa e mais adequada para que o paciente obtenha uma recuperação tranquila e segura.





15/09/2021

Catfish: descubra o que é e como evitar

 

A internet modificou para sempre a vida e a história da humanidade. Até mesmo o modo de conhecer o contatinho mudou, não é mesmo? Muitos relacionamentos nascem via aplicativos e não mais nos flertes de bailes. Infelizmente, isso também criou uma categoria de crimes e golpes aplicados através das telas onde fica mais complicado identificar o sujeito por trás da ação. Um dos golpes de internet muito comum é o Catfish. Aqui iremos explicar o que é e como evitá-lo.


O que é Catfish?


Catfish é um termo em inglês para pessoas que, fingindo ser quem não são, enganam e ameaçam outras pessoas. Quem não conhece alguém que trocava mensagens via internet com uma pessoa e no encontro virtual se depara com alguém fisicamente diferente?

Este golpe, na maioria das vezes, é iniciado com um envolvimento amoroso e resulta em golpe financeiro. E, embora não seja uma prática nova no mundo, cerca de 1 a cada 5 brasileiros, segundo o site Psafe já foram vítimas deste tipo de golpe.

Ao contrário do que se pensa, os crimes praticados na internet, como o catfish, são mais fáceis de solucionar do que os comuns. Isto porque a internet sempre deixa rastros e se você souber identificar antes de cair no golpe, fica mais fácil ainda fazer a denúncia.


Quais os golpes comuns de um catfish?


Se você está em um aplicativo de relacionamento, fique atento porque você nunca sabe, realmente, quem está por trás das mensagens trocadas. Por mais que o papo esteja bom e vocês tenham várias coisas em comum, siga essas dicas:

  • Não partilhe informações pessoais: estelionato e extorsão são os crimes preferidos no catfish;
  • Não marque o primeiro encontro na sua casa ou na casa do crush: roubo e violência física também são práticas comuns de catfish;
  • Não mande nudes: catfish pode arquivar suas fotos e vídeos para posterior divulgação.

O golpe está aí, você quer cair?


Além de se prevenir de possíveis golpes, seguindo as dicas acima, fique atento aos seguintes comportamentos do crush para se certificar que ele não é ou não um catfish:

  • O crush evita mensagens de voz;
  • O crush evita chamadas de vídeos.

Isto porque fica mais difícil o reconhecimento de voz e face. Se você nota um medo e rejeição quando convida a pessoa para uma videoconferência, desconfie porque ela pode estar tentando esconder algo ou se manter em anonimato, para facilitar sua ação de catfish.

É preciso, portanto, pensar racionalmente mesmo quando a emoção de ter um contatinho domina nossas conversas na internet. Todos estão sujeitos a serem vítimas de um catfish e por isso trouxemos essas dicas para que você evite ser mais uma vítima.

Outra forma de se prevenir do catfish é sempre investigar. Cheque informações no Google e nas redes sociais e, mesmo se você ainda estiver em dúvida, a melhor solução é pensar em um profissional qualificado para a investigação. Para isso você pode contar com o serviço de um detetive particular, como a detetive Daniele que pode, com segurança e recursos tecnológicos, te dizer se seu crush é fake!







13/09/2021

Infertilidade? Conheça os tratamentos para ajudar a engravidar


Alguns casais, depois de meses ou anos tentando, sem sucesso, uma gravidez, procuram ajuda profissional. Está cada vez mais comum, felizmente, a confiança dos casais em procurar esse tipo de ajuda, assim como está cada vez mais eficaz a solução medicinal para a infertilidade.

Por muito tempo, a busca por tratamento para engravidar era vista como uma responsabilidade da mulher. Contudo, esse cenário tem mudado devido a maior conscientização dos homens de que muitas vezes é ele quem necessita de algum respaldo médico.

Diagnóstico e tratamento de infertilidade em homens

Há várias causas de infertilidade, e a maioria delas pode ser identificada a partir de exames médicos. Algumas principais causas de infertilidade em homens são:

  • Endometriose;
  • Adenomiose;
  • Miomas;
  • Pólipos;
  • Laqueadura;
  • Vasectomia;
  • Varicocele.

O tratamento para engravidar também é variado, tanto para homens quanto para mulheres. Em homens, os tratamentos comuns são:

  • Cirurgia: em caso de varicocele, por exemplo, que é a maior causa de infertilidade nos homens;
  • Tratamento hormonal: no caso de homens que não produzem espermatozoide suficientes por causa de alguma deficiência hormonal;
  • Medicamentos: em caso de infecção no aparelho reprodutor, por exemplo, pode ser recomendado o uso de antibióticos.

Infertilidade nas mulheres

O tratamento para engravidar, nas mulheres, pode ir além de cirurgias, tratamento hormonal e medicamentoso. Às vezes, regular a menstruação já facilita a gravidez, mesmo que o casal ou indivíduo esteja fazendo tratamento para engravidar.

Principais técnicas de Reprodução Humana

Há diversos tipos de tratamento para engravidar, que são recomendados de acordo com as especificidades de cada paciente. Para além dos tratamentos aqui já citados, como cirurgia, hormônios e medicamentos, há as técnicas de reprodução humana.

Como o nome já diz, essas técnicas são tratamentos para engravidar só que de maneira assistida, isto é, com acompanhamento médico. Algumas das principais técnicas de reprodução humana são:

  • Inseminação artificial: é feita a partir de medicamentos que induzem a ovulação. Paralelo a esse procedimento, é feita a retirada de sêmen do homem para introdução na mulher, em seu dia mais fértil. Além de ser um procedimento mais acessível financeiramente, é uma das técnicas menos invasivas;
  • Indução de ovulação: é uma das técnicas mais simples e recomendadas pelos ginecologistas. É simples porque esse tratamento para engravidar pode ser feito pela ingestão de medicamentos via oral. É recomendado quando a mulher tem diagnóstico do anovulação, por exemplo;
  • Coito programado: é um tratamento complementar da indução de ovulação. Consiste em saber, por meio de exames de ultrassom, o dia exato que a mulher está ovulando e priorizar relações sexuais nesse período;
  • Fertilização in vitro: geralmente, quando não há sucesso nos outros tratamentos para engravidar, é realizado o procedimento de indução da ovulação, aspirando os óvulos da mulher e coletando o sêmen do homem. Após isso, são selecionados os melhores óvulos e espermas, e por via de proveta se faz a junção. É feito o acompanhamento, por médicos especialistas, do crescimento e desenvolvimento das células no zigoto. Os melhores embriões são transferidos para o útero da mulher, após cinco dias.

Portanto, mesmo se você apresentar um diagnóstico de infertilidade, procure um especialista para iniciar seu tratamento para engravidar. Seu sonho de gerar uma vida é possível!








30/08/2021

Como o aumento na conta de luz afeta os negócios

 

Entenda como o aumento das bandeiras tarifárias pode ser um grande obstáculo para a atividade econômica e o que fazer para economizar dentro desse cenário 

A pandemia prejudicou diversos setores do mundo todo e isso impactou direta e negativamente os pequenos e grandes negócios. Por isso, estima-se que a crise hídrica fez a energia ficar 13% mais cara em boa parte do país.

Essa é considerada a maior crise hídrica em mais de 90 anos, e isso acaba pesando bastante no bolso do consumidor. O reajuste foi de 52% no valor da bandeira tarifária vermelha. Ou seja, a cada 100 kWh consumidos, será cobrado R$ 9,49, sendo que a taxa antiga era de R$ 6,24.

Mas como economizar nesse momento tão delicado? Quais meios de produção dependem fortemente de energia para manter os negócios? Saiba mais sobre os prejuízos causados pelo aumento na conta de luz lendo a seguir. 

O que são bandeiras tarifárias

O sistema das bandeiras tarifárias foi criado para tornar as informações sobre o preço da energia do Brasil mais transparentes e acessíveis. Seu funcionamento é como se fosse uma espécie de semáforo. Utilizando essa comparação podemos entender melhor. 

Para que haja energia, é necessário ter disponibilidade de insumos para a produção, portanto, quando há uma crise hídrica, por exemplo, esse valor aumenta significativamente.

Como a eletricidade no Brasil vem de diversas fontes de energias, como a hidrelétrica, durante períodos em que há risco de elas não conseguirem gerar a energia necessária, é preciso acionar as usinas térmicas. Entretanto, esse tipo de energia é mais cara.

As bandeiras tarifárias têm o intuito de incentivar a economia de energia, pois o Brasil tem um sistema de aumento de cobrança que é alterado de acordo com a condição dos reservatórios. Essas divisões são as bandeiras tarifárias que, no caso, são divididas entre quatro cores.  

Os quatro níveis são divididos da seguinte maneira:

  • Bandeira verde: não gera cobrança extra no consumo de energia;
  • Bandeira amarela: gera tarifa extra de R$1,343 para cada 100 kWh consumidos no mês;
  • Bandeira vermelha, patamar 1: a cobrança extra é de R$ 4,169 a cada 100 kWh;
  • Bandeira vermelha, patamar 2: adicional sobe para R$ 6,243 na conta para cada 100 kWh.

Quando a bandeira tarifária passa a ser vermelha, é sinal de que o consumidor deve economizar energia o máximo que puder. 

Setores que mais consomem energia

É importante entendermos que alguns setores consomem muito mais energia do que outros e consequentemente acabam sendo os maiores prejudicados em um momento desses. Alguns desse setores são:

Indústria Automobilística

Algumas pessoas não fazem ideia de que um dos setores que mais consome energia é o automobilístico. De forma geral, esse é o que mais consome energia elétrica no Brasil, e isso pode ser comprovado.

Segundo levantamento da EPE (Empresa de Pesquisa Energética), o ramo industrial foi responsável por cerca de 36% da energia consumida em todo o país em 2018. 

Isso significa que a energia que consumimos em casa não é a maior responsável pelo aumento na conta de luz.

Portanto, o motivo pelo qual a indústria automobilística está em primeiro lugar, é porque os tipos de máquinas usadas para a produção de veículos exigem muita energia elétrica. 

Além disso, qualquer pausa no processo pode custar muito caro para toda a linha de produção, pois a indústria trabalha com produtos de alto valor no mercado. 

Hospitais

É compreensível e um pouco mais fácil de descobrir o motivo pelo qual os hospitais utilizam muita energia elétrica. O setor de saúde as unidades hospitalares necessitam de máquinas sofisticadas que chegam a operar 24 horas por dia em prol da saúde das pessoas.

Há ainda o custo com a iluminação, ventilação, geradores de qualidade e tratamento de vários pacientes que dependem da energia elétrica para que os equipamentos funcionem corretamente, salvando milhares de vidas todos os dias.

Shoppings Centers

Centros e pontos comerciais também são grandes consumidores de energia, pois funcionam regularmente e acabam influenciando na economia do país, além de ser uma forma de entretenimento com muitas opções. 

O gasto é consideravelmente alto com a iluminação, manutenção do sistema de ar condicionado, necessidade de energia elétrica para os que os cinemas funcionem corretamente, entre outros. 

Setores de impressão

O setor de impressão não é necessariamente um dos que mais consome energia elétrica, entretanto, é um setor que precisa significamente dela para que tudo corra bem e corretamente. 

A impressão de revistas, jornais, livros, materiais pedagógicos e documentos, por exemplo, são essenciais para o país e para a educação. 

Isso faz com que as máquinas de impressão, copiadoras e etc. sejam muito necessárias para o dia a dia de muitas empresas e consumidores. 

Mas o que fazer para economizar energia?

Algumas dicas simples podem ajudar a fazer com que sua empresa ou sua casa gastem menos energia, isso, pensando mensalmente. 

  • Não deixe as luzes ligadas se não estiver no cômodo;
  • Substitua as lâmpadas antigas pelas de LED;
  • Atualize aparelhos antigos;
  • Desligue os aparelhos que não estiver usando durante o dia ou pela noite;
  • Procure entender o que mais consome energia na sua casa e na empresa.

Por fim, precisamos lembrar como esse aumento na conta de luz tem afetado os negócios, a economia e praticamente todos os setores do país.

Manter uma situação financeira estável tem sido cada vez mais difícil no Brasil, principalmente com o crescimento da inflação. 

Além dos gastos com aparelhos, equipamentos, água, gás, entre outras necessidades tanto para empresas quanto para residências, o aumento da conta de luz prejudica muito os brasileiros e empresários em seu funcionamento mais básico.

Os prejuízos podem ser grandes, como o fechamento ou perda de negócios, interrupção de demandas ou até mesmo redução da qualidade do produto final. 

Se formos mensurar o impacto desse aumento, temos o aumento de vários preços na economia: alimentos e indústria.

Além das dicas citadas acima, há outras alternativas que podem ajudar a controlar o custo final em alguns setores. 

Uma dica simples para o setor de impressões, por exemplo, é adotar equipamentos que consomem menos energia, como as impressoras que utilizam o toner para imprimir.

De forma geral, em um mundo cada vez mais dependente de recursos eletrônicos e digitais, a energia se torna o bem mais precioso e, naturalmente, supervalorizado. E assim, conforme o tempo passa, mais será necessária a noção de consumo e valores na conta de luz.